4 dicas para criar cursos imersivos

31 de jan de 2008

Vai Passar...uma abordagem educacional carnavalesca

Vai passar nessa avenida um samba popular/ Cada paralelepípedo da velha cidade essa noite vai se arrepiar/Ao lembrar que aqui passaram sambas imortais/Que aqui sangraram pelos nossos pés/Que aqui sambaram nossos ancestrais...
Começo essa entrada de blog com esta envolvente e crítica reflexão de nossos poetas-sociais, que compreendem como ninguém a sociedade e a boemia brasileira, Chico Buarque de Hollanda e Francis Hime

Estou envolta entre plumas e paetês... minha irmã e eu passamos o dia em nosso ofício de pedagogas desempregadas, aplicando nossos dotes artísticos-educacionais na confecção de fantasias: os piratas da família (rsrsrs).
Foi quando meu filhote hoje de manhã me perguntou porque existia o carnaval. Confesso que na hora me deu um branco: nunca nenhum aluno de 2ª série (3º ano) me perguntou isso antes. Apesar de eu saber o contexto histórico do carnaval e tudo o mais em sua abrangência, resolvi resumir às origens do carnaval no Brasil.
Comecei explicando à ele que o carnaval que a gente conhece começou no Entrudo, que era uma festa muito antiga (medieval), também chamada de festas dos Loucos de Paris (quem já viu o Corcunda de Notre Dame ou já leu o livro, saberá bem do que estou falando.).

Estas eram as festas pagãs, de homens e mulheres livres, ciganos, prostitutas, bêbados, loucos e boêmios. Destas Festas dos Loucos, nasceram os cordões vermelhos e verdes, surgindo mais adiante o cordão azul, até hoje presentes nos autos populares do folclore brasileiro. Nestas festas do entrudo, que aconteciam, mais ou menos 40 dias antes da páscoa, eram regadas à vinho, farras, arremessos de restos de comida e dejetos humanos e de animais.

O Carnaval é trazido para o Brasil pelos portugueses. Entre os ricos, eram festas que aconteciam nos salões, nos teatros, nos bailes de máscaras organizados pela aristocracia eram inspirados no Carnaval de Veneza e da França (os bailes de máscaras - lembrou-se de Romeu e Julieta?!).
Já para a grande parcela da população a forma mais antiga de festejar o nosso Carnaval era o Entrudo, desde os tempos coloniais quando as brincadeiras aconteciam entre os cordões Carnavalescos.
Nisso encontramos os jogos de mela-mela, os homens vestidos de mulher, as águas de cheiro (que não eram perfumadas não...)os confetes e serpentinas (origem francesa), os deboches e os versos satíricos que difamavam as senhoras e senhores de respeitabilidade duvidosa bem como padres e governantes de condutas ultrajantes ao povo, em cantigas melodiosas de versos simples e rimadas que logo caiam no gosto popular. Ah, bons tempos em que as verdades eram ditas com escárnio e poesia...

Mesmo no tempo de minha mãe as coisas não tinham o sentido sensulíssimo esbanjador que se tem hoje. Quando eu era criança já havia fotos quase pornográficas nas revistas especializadas em bailes de carnaval. Uma lástima!!!! Quase não há mais sambas-enredos inteligentes que denunciem ou faça com que o povo reflita sobre sua própria condição social.

Lembro-me do samba-enredo Aquarela do Brasil (1964), tema da GRES Império Serrano em 2006, simplesmente lindo. E incompreendido. Quase ninguém entendeu o repertório de minha escola e ela, mais uma vez, desceu...(Vejam esta maravilha de cenário/ é o episódio relicário/ que o artista num sonho genial/ escolheu para este carnaval/e o asfalto como passarela/ será a tela do Brasil em forma de aquarela)
Uma proposta dinâmica para os professores de história e de língua portuguesa para o início desse ano letivo: trabalhar um ou dois sambas enredos mais marcantes em seus contextos lingüísticos, histórico e sociais. Importante lembrar que todas as modas passam, entretanto, a história e a cultura popular não se apagam, se preservada por uns poucos.
Para que o sentido da alegria carnavalesca não dure apenas nas festas de Momo (outro costume nos deixado pelos Loucos de Paris, o rei dos loucos), a história e o porquê do carnaval devem ser enfatizados como elementos propícios à quebra de gelo, à integração e um início de ano letivo propício ao debate e a alegria de estudar e aprender.
Abraços fraternos e cuidados com os excessos por aí!!

Se beber, não dirija.

Vai transar, use camisinha.

Não provoque, nem se invoque com confusões.

Lembre-se: sua vida é o mais importante!!!

Semíramis


Vai Passar
Chico Buarque
Composição: Chico Buarque e Francis Hime

Vai passar nessa avenida um samba popular /Cada paralelepípedo da velha cidade essa noite vai se arrepiar
Ao lembrar que aqui passaram sambas imortais/Que aqui sangraram pelos nossos pés / Que aqui sambaram nossos ancestrais
Tempo página infeliz da nossa história /passagem desbotada na memória / Das nossas novas gerações

Dormia a nossa pátria mãe tão distraída/sem perceber que era subtraída / Em tenebrosas transações

Seus filhos erravam cegos pelo continente/ levavam pedras feito penitentes/ Erguendo estranhas catedrais

E um dia, afinal, tinham o direito a uma alegria fugaz / Uma ofegante epidemia que se chamava carnaval, o carnaval, o carnaval

Vai passar, palmas pra ala dos barões famintos / O bloco dos napoleões retintos/e os pigmeus do boulevard

Meu Deus, vem olhar, vem ver de perto uma cidade a cantar / A evolução da liberdade até o dia clarear

Ai que vida boa, o lelê,

ai que vida boa, o lalá

O estandarte do sanatório geral vai passar

Ai que vida boa, o lelê,ai que vida boa, o lalá

O estandarte do sanatório geral

vai passar....

26 de jan de 2008

Explicando a Enquete (corrigida - desculpe alguns errinhos de formatação e redação, acontecem...)

Primeiramente, gostaria de agradecer aos 141 amigos, aproximadamente, que estão visitando meu querido blog-objeto de estudo. Adoraria que vocês pussessem uma ou duas linhas sobre o que acharam deste espaço que criei com muito carinho e que estou aprimorando constantemente. Obrigada, vocês estão me ajudando muito.

A enquete é simples: sou uma entusiasta da aplicação das novas tecnologias como forma de complemento ao ensino presencial. No entanto, não acredito nas estruturas educacionais totalmente via EAD que sejam descompromissadas e apenas visem formar mais mão de obra para atender, ora necessidades políticas, ora cobranças sociais.

Por acreditar que o papel do professor é fundamental na formação educacional, moral, intelectual e afetiva dos educandos, acho que um curso em EAD deveria de ter pelo menos alguns encontros presenciais em pólos. Isso encurtaria as distâncias e criaria maior cumplicidade entre alunos e professores.


Sites, blogs, fotologs, slides, podcasts, programas televisivos, programas de rádio, rádios comunitárias, jornais (locais ou nacionais) entre outras formas de comunicação podem facilitar e auxiliar o trabalho de professores e alunos no sentido de viabilizar as formas de interação e integração sala de aula-cotidiano, relação profundamente deficitária não apenas nas escolas públicas e particulares de EF e EM.


Um caso curioso: Em julho do ano passado, observei a implantação da primeira turma de um curso de graduação (tecnológica) via EAD de uma universidade federal por três meses em uma cidade de interior, onde quase não há cursos universitários. Uma nobre iniciativa que poderia ter dado certo, se o curso não fosse totalmente via EAD. Os tutores desta graduação deveriam se corresponder por e-mails e murais de recados em cada uma das 6 disciplinas obrigatórias.


No primeiro módulo, todos aprenderam as minúcias de um ambiente de ensino virtual. Uma tarefa que rendeu muito pedagogicamente, uma vez que os próprios alunos ajudavam-se mutuamente. Entretanto, terminado o módulo inicial e iniciadas as disciplinas componentes do curso, os alunos sentiram a falta do apoio presencial de alguém que pudesse ajudá-los no dia-a dia do curso, pois as dificuldades inerentes ao conteúdo, complicavam-se sobremaneira, isso sem contar com a confusa e muitas vezes inoperantes ações dos professores que, depois de anos lecionando no ensino presencial, não conseguiam coordenar as ações didáticas que teriam numa sala de aula, no desempenho diário desta nova modalidade de ensino.


O resultado disso foi a desmotivação de cerca de 20 alunos que acabaram por desistir do curso. O principal motivo alegado foi a ausência do elemento humano. Por mais que não queiramos nos passar por repassadores do conhecimento, nossa presença se faz essencial pois nada substitui o olhar, a voz, o timbre, o gestual, a imagem e o laço que alunos e professores podem criar na reelaboração do conhecimento e no desenvolvimento da aprendizagem.


Daí, a proposta da enquete: não creio que as novas tecnologias e os cursos via EAD possam ser utilizados como método de ensino, desprovido da presença real do professor ou de pelo menos de um bom planejamento que possibilite a sustentabilidade desse sistema . Acredito e aposto seriamente na idéia de que tais ferramentas, virtuais ou midiáticas, possam ser um instrumento vital à aprendizagem e a criação de vínculos cognitivos, sociais, interativos e por que não dizer, afetivos, uma vez que este é um dos papéis da educação.


Abraços sinceros,


Semíramis

16 de jan de 2008

Inovações, Renovações, Descobertas e Integração

Estou adorando a idéia de ter este blog educativo... enquanto a sala de aula não me chama, vou dando meus pitacos educacionais por aqui e descobrindo que a gente tem que ampliar o nosso cyber espaço educacional.


Estou conhecendo outros educadores que, como eu, preferem continuar acreditando na educação brasileira, dialogando, trocando idéias, visitando espaços. São os blogueiros educacionais.


Conheci muitos espaços interessantes, dentre eles :


O da Prof. Fátima Franco- Internet e Web na Educação http://internetnaeducacao.blogspot.com/



O do Prof. Douglas Franzen - Educação e Ensino de História http://www.douglasfranzen.blogspot.com/


O do prof Daniel Giandoso - Carbono 14 - http://carbonocatorze.blogspot.com/




O do Prof Luis Dhein - http://cademeunariz.blogspot.com/


São alguns dos espaços de professores que querem algo mais em suas aulas, que incentivam e abraçam suas carreiras docente não somente nas grandes universidades, elaborando teses e angariando títulos, porém dispondo parte de seu tempo à lavrar em algumas linhas , seu pensamento pedagógico, suas metodologias e práticas de ensino, na busca de maior integração entre outros professores, estimulando-os na grande troca de experências que só a Internet poderia proporcionar - é o pensamento docente na prática!

Certa vez, eu ainda cursava pedagogia, quando eu disse que um dia pensava em criar um ambiente educativo via listas de discussão pela Web, tipo Yahoogrupos, meus professores me chamaram de doida. Quando sugeri a troca de informações via Orkut e debates via MSN, não me deram crédito. Hoje vejo que a maioria das técnicas que sempre pensei além de serem sensatas e atrativas ao públlico jovem, são muito bem recebidas por outros educadores e o retorno é claro e rápido. O resultado: alunos mais confiantes, professores menos estressados, aulas mais proveitosas e melhor aprendizado.


Não quero dizer que estas ferramentas podem substituir nossas carinhas e maviosas vozes dentro de sala, não. Nada, definitivamente, substitui a imagem do professor e o papel que ele desempenha de mediador, de pacificador, orientador e guia de aprendizado. No entanto, o emprego de novos métodos de ensino, ou mesmo a redescoberta de outros métodos bastante utilizados podem nos fazer melhorar as relações de aprendizagem. Isso só pode ser benéfico aos professores, aos alunos e à sociedade como um todo.


É isso aí, vamos nos integrando à blogsfera!!!!! (ainda penso que um dia poderemos vir a dizer: "beam me up, Scotty!!!"*)


Abraços,


Semíramis













Sugestão de Filmes
Star Trek / Jornada nas Estrelas

* Nos filmes da Jornada nas Estrelas, James T. Kirk (William Shatner) para Comandante Scotty(J. Doohan): Teletransporte-me, Scotty!!!

4 de jan de 2008

Ano Novo, Vida Nova

Sempre ouço essa frase: Ano Novo, Vida Nova. Decidi arriscar e começar a mudar um pouquinho as coisas de lugar.

Comecei arrumando meu Orkut (ah, eu tenho Orkut, podem me adicionar, mas por favor, ponham scrap para saber quem é e da onde posso vir a conhecer) troquei fotos, reorganizei àlbuns. De repente, pensei que poderia ser a hora de mudar algumas coisas no campo profissional, mudei a fachada de meu blog.

Estou com tempo livre, isso me assusta, não consigo ficar parada na frente da televisão, vendo as mesmas notícias da semana inteira (desde o ano passado). Isso me irrita.

Ver filmes com os filhos até é legal, porém quando se fica o dia inteiro vendo filmes, você se torna cáustica demais.

Ontem vi o filme Quando Nietzsche Chorou, filme fantástico que relata os primeiros passos da psicologia - a cura pela fala - que tempos depois o jovem Freud e seu discípulo Jung iriam aprimorar, transformando na psicanálise.

Este fabuloso filme é baseado no livro do Dr Irvin D. Yalom, psicoterapeuta e professor de psiquiatria na Universidade de Stanford. Com precioso argumento, combina personagens reais da Europa do fim do século XIX com ficção. Trata do encontro entre Nietzsche, Freud e Josef Bauer.

Um romance de grande embasamento científico e filosófico, que nos lembra como são frágeis nossas idéias sobre segurança emocional e ilusões. Este filme nos propõe a mudar nossa forma de pensar, nos traz um convite à transformações e a nos reencontramos enquanto seres humanos.

Prossigo este blog pensando no que vai ser de mim nos próximos meses: ainda não assinei nenhum contrato, estou sem nenhuma colocação, o que me assusta bastante. Mas prossigo certa de que, se eu não conseguir logo uma vaga para lecionar, posso pelo menos pensar em organizar estes artigos num livro!


Uma frase de Nietzsche do livro O Viajante e sua Sombra (1879) verso 312, pág 144.


"As ilusões são certamente prazeres custosos, mas a destruição das ilusões é ainda mais custosa- quando é considerada como prazer, o que incontestavelmente é para alguns."

Abraços Sinceros

boo1

Postagens mais visitadas

Ajude a ciência brasileira com o tempo ocioso de seu computador - participe do World Community Grid!