15 de fev de 2011

Aula 4. - Sociologia da Educação - o que é?

Aula 4

A escola não está isolada da comunidade e da sociedade a que está inserida. A escola é um reflexo das condições e das exigências estabelecidas pela sociedade, no sentido mais amplo e pela comunidade no sentido mais restrito.

No interior da escola multiplicam-se os grupos sociais: são grupos de alunos, de professores, de funcionários, de administradores, etc. Esses grupos têm enorme influência no comportamento dos alunos e sobre sua educação. Mesmo dentro da sala de aula, apesar do controle exercido pelo professor, a influência das condições sociais do aluno e dos grupos que ele participa dentro e fora da sala de aula não pode ser menosprezada, antes aproveitada como fator de aprendizagem.

Dois aspectos principais da Sociologia da Educação

· Procedências e influências sociais na atividade educativa, em especial na escola – interação dos indivíduos, organização social, influências exercidas pela sociedade, comunidade e grupos pela educação.

· Aplicação dos conhecimentos e descobertas da sociologia à atividade educativa, através de seus métodos, conceitos e análises de modo a tornar a educação escolar mais eficiente.

Os aspectos teóricos e práticos serão abordados nessa disciplina de modo a promover o conhecimento da realidade educacional e da transformação dessa mesma realidade a partir dos conhecimentos sociológicos.

Portanto, a sociologia da educação deve dar atenção a três grandes áreas de estudo.

- Em nível mais geral – a educação em relação a sociedade em seu sentido mais amplo.

- Intermediário – interação entre a escola e a comunidade a que está inserida.

- Particular – condições sociais da sala de aula.


Questões propostas:

Com suas palavras defina os conceitos de: fato social, interação social, grupo social, estratificação social, classe social.

Como se deu o início dos estudos sociológicos? E no Brasil?

Com base no que foi estudado, qual o papel da sociologia na educação

Qual o papel de Émile Durkheim para a sociologia da educação?

Em que consiste o método experimental em sociologia? Dê exemplos.

O que é observação em sociologia? Dê exemplos.

Defina questionário e entrevista.

Em sua concepção quais seriam os principais assuntos a serem estudados durante esse curso de sociologia da educação?


Pensamento:
“Temos de nos tornar na mudança que queremos ver”.
Mahatma Gandhi

Aula 3 - Métodos utilizados pelos sociólogos

Aula 3

4 - Métodos utilizados pelos sociólogos

Método experimental - Modifica-se uma das variáveis que influem no comportamento de um grupo; mantendo as outras constantes. Por exemplo, vamos supor que a abolição das provas bimestrais pudesse aumentar a cooperação entre os alunos – teoricamente,  as provas aumentam a competitividade e diminuem a cooperação. Para isso divide-se a turma em dois grupos: 1 normalmente com provas bimestrais (grupo de controle)  o outro sem provas bimestrais (grupo experimental) com as mesmas características (idade, grau de instrução, série), sendo só modificada por uma variável – provas que um grupo tem e o outro não.
O grupo que ficou sem as provas não poderá saber porque essas foram abolidas.
Ao final de um primeiro período (1 ou 2 anos) se faz um teste, uma observação segundo o que foi abordado ao longo do período – os episódios de comportamento de cooperação – dessa forma pode-se constatar se a hipótese foi confirmada ou não. 
O experimento em sociologia enfrenta uma série de obstáculos – há diversos fatores (variáveis) que podem contribuir para esse ou aquele resultado.

Observação – Observar e registrar, com o maior número possível de detalhes o comportamento dos grupos.

Há dois tipos de observador:
Participante – O observador participa da vida do grupo observado.
Não-participante – O observador não se mistura, não influi na vida do grupo observado.

·         Questionário e entrevista - Questionário são perguntas elaboradas por escrito de forma a serem respondidas pelo maior número de pessoas (tipo pesquisas de opinião). Depois de respondidas são devolvidas ao pesquisador, que tabula os resultados para obter uma determinada conclusão.
A entrevista é realizada de forma oral, objetiva, pessoal com um entrevistador, um entrevistado e um gravador para que as respostas do entrevistado não sejam distorcidas. Após esse processo são transcritas as entrevistas, tabuladas as respostas e  analisadas de maneira a se chegar a uma hipótese. (entrevistas de emprego, pesquisas de opinião, de censo).
·         Estudo de caso – O pesquisador deve levantar o maior número possível de dados sobre o fato em estudo através dos outros métodos de pesquisa. Alguns desses métodos consistem na observação, tanto participante como a não-participante, entrevista, entrevista familiar, em resumo, levantar informações necessárias para alcançar um resultado.
Pensamento:

"A fim de viver livre e feliz você precisa sacrificar o tédio. Nem sempre o sacrifício é fácil."

Richard Bach - Ilusões, As aventuras de um messias indeciso.

Harlow e os macacos Rhesus (1963-1968)

 
Harry F. Harlow (1905-1981) foi um psicólogo norte-americano que ficou conhecido pelas suas experiências sobre a privação maternal e social em macacos Rhesus, e que demonstraram a importância dos cuidados, do conforto e do amor nas primeiras etapas do desenvolvimento.

As suas experiências laboratoriais consistiram na criação de duas "mães" artificiais (imitação de uma macacos Rhesus), uma era feita apenas com armação de arame enquanto a outra, era também de armação de arame, porém, forrada com pano felpudo e macio.

Harlow observou que os macacos bebés preferiam claramente as "mães" mais confortáveis. Esta preferência mantinha-se independentemente de qual a mãe que fornecia o alimento. Outras observações mostraram que o que estava em causa não era só a procura de conforto.

O contacto parecia ser essencial ao estabelecimento de uma relação que transmitia segurança. Perante um estímulo gerador de medo, os macaquinhos agarravam-se à "mãe" macia tal como o fariam a uma mãe real. Este comportamento nunca era observado com as "mães" de arame, mesmo em macaquinhos criados só com ela.

Além disso, perante uma situação com muitos estímulos novos e na presença da "mãe" confortável, as reacções de medo e de se agarrar, rapidamente davam lugar à exploração curiosa dos objectos, com regressos periódicos à "mãe" para recuperar a segurança.

Pelo contrário, na ausência da "mãe" confortável, os macaquinhos ficavam paralisados pelo medo e não exploravam o ambiente. Isto acontecia também na presença da "mãe" de arame, mesmo em macaquinhos criados sempre na sua presença. Ou seja, uma "mãe" desconfortável é incapaz de transmitir segurança.

O resultado desta e de outras experiências, permitiram Harlow concluir que a variável contacto reconfortante suplementava a variável amamentação.

Harlow observou ainda que os macacos Rhesus com mães reais, demonstravam comportamentos social e sexual mais adiantados dos que os criados com mães substitutas de pano, e que estes últimos apresentavam comportamentos sociais e sexuais normais se diariamente tivessem oportunidade de brincar no ambiente estimulador dos outros filhotes.


Originalmente publicado em Psicologia Experimental

14 de fev de 2011

Educaedu desembarca no Brasil

Educaedu desembarca no BrasilO portal Educaedu, o maior e mais completo diretório global online de educação, decidiu investir forte no mercado brasileiro e acaba de inaugurar um novo escritório em São Paulo. O objetivo da sede na capital paulista é estar mais próximo de seus clientes e usuários.
Fundada em 2001, a empresa de origem espanhola, vem registrando grande crescimento nos últimos anos. Presente em 20 países e com versões em nove idiomas, o site reúne mais de 103 mil ofertas de cursos em diversas áreas e níveis de ensino.
Em 2010, Educaedu registrou mais de cinco milhões e 200 mil acessos somente no Brasil. Atualmente a versão brasileira do portal tem cadastrados mais de 14 mil cursos de pós-graduação, graduação e extensão universitária ministrados em mais de 950 instituições de ensino.
A sede brasileira soma-se a outros quatro países onde a empresa já possui escritórios: Argentina (Buenos Aires), Espanha (Madri e Bilbao), Colômbia (Bogotá), México (Cidade do México) além de representantes no Chile (Santiago).



Lenice Laflor
Assessoria de Imprensa
lenice@educaedu.com

9 de fev de 2011

Aula 2 - Sociologia da educação - O Desenvolvimento da Sociologia

Aula 1

O que é Sociologia?


Sabemos que o comportamento humano é de grande diversidade e complexidade. Cada pessoa influencia e é influenciada pelo seu meio, 

transforma-se e transforma o seu meio segundo suas ação social, agindo no contexto social, mediante sua formação






Há comportamentos individuais - ações individuais - como andar, comer, dormir, respirar, beber - logo, o indivíduo, o ator social. Outros são comportamentos são considerados sociais - quando colocamos o outro para contracenar conosco.

Assim, ações como participar de reuniões, trabalhar numa repartição, frequentar aulas, casar, reunir-se em família são considerados Comportamentos Sociais, porque se desenvolvem no meio da sociedade.





Vivemos em grupo desde os primórdios de nossa história. Dessa forma, as ciências sociais, entre elas está a Sociologia, analisam e estudam o comportamento e as ações sociais humanas e as diversas formas que estas se manifestam. 





A Sociologia é o estudo das relações sociais e as formas de associação, considerando todas as interações e que ocorrem em sociedade.





O estudo da sociedade é algo dinâmico e suscita a análise desapaixonada dos fatos, isentos de interesses, analisando apenas os fatos sociais em si, a mobilidade social, o processo de cooperação, competição, conflitos sociais e a divisão da sociedade, de forma a encontrar soluções para seus possíveis problemas.





Aula 2

Nessa segunda aula de sociologia vamos conhecer um pouco sobre as primeiras idéias dessa ciência, seus principais estudiosos e suas primeiras aproximações com a educação através do pensamento de Émile Durkheim.




3 – O Desenvolvimento da sociologia
O estudo dos fatos sociais é muito antigo. Com o surgimento dos primeiros grupos humanos, surge também a necessidade de se organizar para sobreviver.
No século XIX, a sociologia torna-se uma ciência autônoma, ao lado das ciências modernas (física, química, biologia) como reflexo das transformações européias nos séculos XVIII e XIX.
Tanto a Revolução Industrial (segunda metade do século XVIII) quanto a Revolução Francesa (1789) provocaram transformações radicais na sociedade da época. Com isso surge a sociologia como ciência.

Sociologia: Ciência, objeto de estudo e análise
A sociologia é uma ciência, ou seja, trata-se de um conjunto de conhecimentos sistematizados, organizados, baseados na observação e na pesquisa objetiva dos fatos sociais e não em crenças pré-concebidas ou sentimentos subjetivos a respeito dos mesmos fatos.
"Um sociólogo pode ter sentimentos e crenças bem determinados a cerca de como a sociedade deve organizar-se ou tratar a alguns de seus membros, porém não são estes sentimentos ou crenças que definem essa pessoa como sociólogo. Como profissional, um sociólogo tem a obrigação de relatar e analisar objetivamente tudo o que constitui a vida em grupo (como a vida em família, as classes sociais ou as comunidades) e seus derivados (valores, tradições e costumes)." COHEN, Bruce. Sociologia Geral. São Paulo, McGraw-Hill, pag. 1, 1980.
A sociologia estuda a sociedade humana, sua estrutura básica, a coesão e a desintegração dos grupos, a transformação da vida social. Um grupo de indivíduos não basta para haver vida social: é necessário que esse grupo interaja, se relacionam uns com os outros, convivam , tenham interesses em comum, vivam de acordo com as normas em comum.
Nessas 2 vertentes sociológicas, uma defende a concepção de que o fato social seja algo proto e acabado, com ênfase na estrutura  social, a ordem social existente, etc. Na outra vertente é possível observar que o fato social é algo dinâmico, impulsionador dos aspectos que produzam a transformação social.
Se por um lado é possível compreender a sociologia através dos fatos sociais que revolucionaram a transformação da sociedade, por outro lado é viável entender a sociedade através dos fatos sociais que são responsáveis pela manutenção da ordem, como a família, o governo, as leis, etc.

Alguns filósofos e sociólogos essenciais para a construção da sociologia
Auguste Comte (1798-1857) foi um filósofo francês, pai do Positivismo,  o primeiro a empregar a palavra "sociologia" na sua obra "Filosofia Positiva" em 1838. Para ele, a sociologia deveria ter seus estudos pautados na observação e classificação sistemáticas e não baseada na especulação e autoridade, como a ciência antiga (monarcas, governantes, sacerdotes) .
Herbert Spencer (1820-1903) foi um filósofo inglês que publicou em 1876, a obra "Princípios de Sociologia" na qual ele utilizou a Teoria da Evolução das Espécies, de Charles Darwin , desenvolvendo sua teoria da Evolução Social, segundo a qual a sociedade evolui naturalmente do estado primitivo ao industrial.
Lester Ward (1841-1913) foi um sociólogo norte-americano que em 1883, em seu livro "Sociologia Dinâmica" defendeu o progresso social sob a orientação de sociólogos. Ou seja, esses sociólogos vêem na sociedade política o produto da luta pela vida, e nos governantes a sobrevivência dos mais aptos e na estrutura jurídica dos Estados a organização da concorrência.
Dessa forma podemos observar que os primeiros sociólogos estavam imbuídos da idéia de progresso, de evolução. Seguindo essa idéia, buscavam fatos que lhes dessem sustentação como as grandes mudanças sociais projetadas pelas descobertas científicas, revoluções ou pelas guerras, tendo importante papel na difusão da idéia de progresso.


Émile Durkheim
Émile Durkheim (1858-1917) foi um sociólogo francês que contribuiu decisivamente para tornar mais rigoroso o método cientifico em sociologia. Em seu livro "Regras do Método Sociológico" (1895) Durkheim explica como procedeu em sua pesquisa sobre o suicídio, que seria publicada em 1897.
1º Planejou o esquema da pesquisa.
2º coletou grande quantidade de dados sobre os suicidas.
3º Elaborou uma "Teoria do Suicídio" na qual ele apontou como fator principal o Isolamento Social. 
Principio fundamental da sociologia para Durkheim é "Considerar os fatos sociais como coisas", implica tomar os fatos sociais em seus aspectos exteriormente observáveis, utilizando métodos de estudo apropriados, como a estatística.


Para ler e resumir para a aula dia 18/02

Émile Durkheim, o criador da sociologia da educação
Para o sociólogo francês, a principal função do professor é formar cidadãos capazes de contribuir para a harmonia social


Em cada aluno há dois seres inseparáveis, porém distintos. Um deles seria o que o sociólogo francês Émile Durkheim (1858-1917) chamou de individual. Tal porção do sujeito – o jovem bruto – segundo ele é formada pelos estados mentais de cada pessoa. O desenvolvimento dessa metade do homem foi a principal função da educação até o século 19. Principalmente por meio da psicologia, entendida então como a ciência do indivíduo, os professores tentavam construir nos estudantes os valores e a moral. A caracterização do segundo ser foi o que deu projeção a Durkheim. "Ele ampliou o foco conhecido até então, considerando e estimulando também o que concebeu como o outro lado dos alunos, algo formado por um sistema de idéias que exprimem, dentro das pessoas, a sociedade de que fazem parte", explica Dermeval Saviani, professor emérito da Universidade Estadual de Campinas.
Dessa forma, Durkheim acreditava que a sociedade seria mais beneficiada pelo processo educativo. Para ele, "a educação é uma socialização da jovem geração pela geração adulta". E quanto mais eficiente for o processo, melhor será o desenvolvimento da comunidade em que a escola esteja inserida.
Nessa concepção durkheimiana – também chamada de funcionalista –, as consciências individuais são formadas pela sociedade. Ela é oposta ao idealismo, de acordo com o qual a sociedade é moldada pelo "espírito" ou pela consciência humana. "A construção do ser social, feita em boa parte pela educação, é a assimilação pelo indivíduo de uma série de normas e princípios – sejam morais, religiosos, éticos ou de comportamento – que baliza a conduta do indivíduo num grupo. O homem, mais do que formador da sociedade, é um produto dela", escreveu Durkheim.
Essa teoria, além de caracterizar a educação como um bem social, a relacionou pela primeira vez às normas sociais e à cultura local, diminuindo o valor que as capacidades individuais têm na constituição de um desenvolvimento coletivo. "Todo o passado da humanidade contribuiu para fazer o conjunto de máximas que dirigem os diferentes modelos de educação, cada uma com as características que lhe são próprias. As sociedades cristãs da Idade Média, por exemplo, não teriam sobrevivido se tivessem dado ao pensamento racional o lugar que lhe é dado atualmente", exemplificou o pensador.


Ensino público e laico
Durkheim não desenvolveu métodos pedagógicos, mas suas idéias ajudaram a compreender o significado social do trabalho do professor, tirando a educação escolar da perspectiva individualista, sempre limitada pelo psicologismo idealista – influenciado pelas escolas filosóficas alemãs de Kant (1724-1804) e Hegel (1770-1831). "Segundo Durkheim, o papel da ação educativa é formar um cidadão que tomará parte do espaço público, não somente o desenvolvimento individual do aluno", explica José Sérgio Fonseca de Carvalho, da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP).
Nas palavras de Durkheim, "a educação tem por objetivo suscitar e desenvolver na criança estados físicos e morais que são requeridos pela sociedade política no seu conjunto". Tais exigências, com forte influência no processo de ensino, estão relacionadas à religião, às normas e sanções, à ação política, ao grau de desenvolvimento das ciências e até mesmo ao estado de progresso da indústria local.
Se a educação for desligada das causas históricas, ela se tornará apenas exercício da vontade e do desenvolvimento individual, o que para ele era incompreensível: "Como é que o indivíduo pode pretender reconstruir, por meio do único esforço da sua reflexão privada, o que não é obra do pensamento individual?" E ele mesmo respondeu: "O indivíduo só poderá agir na medida em que aprender a conhecer o contexto em que está inserido, a saber quais são suas origens e as condições de que depende. E não poderá sabê-lo sem ir à escola, começando por observar a matéria bruta que está lá representada". Por tudo isso, Durkheim é também considerado um dos mentores dos ideais republicanos de uma educação pública, monopolizada pelo Estado e laica, liberta da influência do clero romano. Autoridade do professor.
Durkheim sugeria que a ação educativa funcionasse de forma normativa. A criança estaria pronta para assimilar conhecimentos – e o professor bem preparado, dominando as circunstâncias. "A criança deve exercitar-se a reconhecer [a autoridade] na palavra do educador e a submeter-se ao seu ascendente; é por meio dessa condição que saberá, mais tarde, encontrá-la na sua consciência e aí se conformar a ela", propôs ele. "Em Durkheim, a autonomia da vontade só existe como obediência consentida", diz Heloísa Fernandes, da Faculdade de Ciências Sociais da USP. O sociólogo francês foi criticado por Jean Piaget (1896-1980) e Pierre Bourdieu (1930-2002), defensores da idéia de que a criança determina seus juízos e relações apenas com estímulos de seus educadores, sem que estes exerçam, necessariamente, força autoritária sobre ela.
A elaboração, adoção e socialização dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs)foi uma grande conquista para a educação brasileira. Houve padronização na indicação dos conteúdos curriculares e uma clara demonstração do que o governo espera dos jovens que deixarão os bancos escolares nos próximos anos. Para o professor Dermeval Saviani, da Unicamp, esse fato tem certa relação com as concepções de Durkheim. "Os currículos são sugeridos para todos. Esses documentos mostram as necessidades da sociedade. Agora, cabe aos estabelecimentos de ensino pegar essas indicações e moldá-las aos estudantes", explica. "A idéia de fundo é colocar as pessoas certas nos lugares certos, onde a comunidade precisa", diz.
Para Pensar: Durkheim dizia que a criança, ao nascer, trazia consigo só a sua natureza de indivíduo. "A sociedade encontra-se, a cada nova geração, na presença de uma tábua rasa sobre a qual é necessário construir novamente", escreveu. Os professores, como parte responsável pelo desenvolvimento dos indivíduos, têm um papel determinante e delicado. Devem transmitir os conhecimentos adquiridos, com cuidado para não tirar a autonomia de pensamento dos jovens. A proposta de Durkheim levará o aluno a avançar sozinho? Esse modelo de formação externa contraria a independência nos estudos? Ou será uma condição para que a educação cumpra seu papel social e político?


4 de fev de 2011

Aula 1 - CONCEITOS BÁSICOS DE SOCIOLOGIA

DISCIPLINA SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO - CONCEITOS BÁSICOS DE SOCIOLOGIA
AULA 1
1- O QUE É SOCIOLOGIA?
A Sociologia é uma das Ciências Sociais, cujo objetivo mais amplo é descobrir a estrutura básica da sociedade humana, identificar as principais forças quemantêm os grupos unidos ou que os enfraquecem e verificar que condições transformam a vida social.

CONCEITOS BÁSICOS
FATO SOCIAL - São fatos exteriores e anteriores a existência do indivíduo e continuariam existindo mesmo que este não existisse ou deixasse de existir. São fatos que exercem coação ao indivíduo, ou seja, ao deixar de praticá-los o indivíduo sofreria pressão por parte da sociedade até que se enquadrasse nos padrões vigentes.
INTERAÇÃO SOCIAL - Uma ação coletiva entre dois ou mais indivíduos com objetivos em comum, que os faça conviver ou trabalhar juntos.
GRUPO SOCIAL - Conjuntos de indivíduos que interagem uns com os outros durante certo período de tempo. Se dividem em :
Grupos primários - família, amigos, amigos de infância, de escola, ou seja, pessoas com quem o indivíduo interaja mais pessoalmente.
Grupos Secundários - Colegas em geral, vizinhos, professores, patrões, motoristas, secretárias, ou seja, pessoas que o indivíduo trata de maneira impessoal por não ter pouco ou nenhum contato íntimo, restrito.
ESTRATIFICAÇÃO SOCIAL
Processo que coloca as pessoas de uma sociedade em camadas (estratos) sociais diferentes, segundo suas condições econômicas, sob a forma de uma pirâmide: no alto, os mais ricos (minoria) ; na base, os mais pobres (maioria).  
CLASSE SOCIAL
Cada um dos estratos (camadas) da pirâmide, que constituem a sociedade. Cada classe tem seus valores, crenças, ideais que as distinguem de outras classes.
COMUNIDADE E SOCIEDADE
COMUNIDADE –  Grupo local, bastante integrado, com predominância de grupos primários: pessoais, informais, sentimentais, tradicionais, que envolvem o indivíduo como um todo. A cultura de uma comunidade é geralmente tradicional e homogênea, passada de pai para filho e resistente a influências externas.
SOCIEDADE –  Conjunto de grupos de indivíduos e instituições cujos relacionamentos são impessoais, formais, utilitários, especializados e geralmente baseados em contratos escritos.

STATUS SOCIAL E PAPEL SOCIAL
STATUS SOCIAL - Posição que o individuo ocupa num grupo social ou na sociedade (filha, aluna, funcionária)
PAPEL SOCIAL – Conjunto de funções que cada indivíduo desempenha em conseqüência do status que ocupa – o PAPEL SOCIAL é o papel dinâmico do status. Se não desempenhado satisfatoriamente acarretará pressões, coerções.

boo1

Postagens mais visitadas

Ajude a ciência brasileira com o tempo ocioso de seu computador - participe do World Community Grid!