Mostrando postagens com marcador EJA. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador EJA. Mostrar todas as postagens

9 de set de 2013

Educação de Jovens e Adultos: uma "educação para além do capital"



Educação de Jovens e Adultos: uma "educação para além do capital"

Embora o Brasil passe por um processo de crescimento econômico, ainda convivemos com uma grande desigualdade social. Este quadro reflete nos índices do Pnad (2011)
 
Dulcinéia de Fátima Ferreira Pereira 

Há exatamente um ano atrás os jornais anunciaram que "A pesquisa Pnad 2011 (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) apontou que 19,2 milhões de brasileiros, com mais de dez anos de idade, não têm instrução ou estudaram menos de um ano. Que entre as pessoas com 15 anos ou mais, a taxa de analfabetismo é de 8,6% - o que representa 12,9 milhões de brasileiros." (21/9/ 2012 na UOL.com.br) 

Embora o Brasil passe por um processo de crescimento econômico, ainda convivemos com uma grande desigualdade social. Este quadro reflete nos índices do Pnad (2011). 

Durante muitos anos a EJA ficou à margem dos debates relacionados à Educação Nacional. Após a criação do Fundeb (Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica), no governo Lula, pudemos acompanhar uma mudança na rota das políticas públicas para a Educação de Jovens e Adultos. 

Ao incluir a EJA no sistema de financiamento da educação, o Governo Federal reconhece a educação como um direito de todos, independente da idade. Esta opção contribuiu para a criação de vários programas vinculados à Secadi (Secretraria de Educação Continuada Alfabetização, Diversidade e Inclusão) como: Programa Brasil Alfabetizado, Proeja, Projovem Urbano, Educação nas prisões. 

No entanto, não podemos nos esquecer de que analfabetismo e baixa escolaridade estão associados à desigualdade social e econômica e que, portanto, somente as pessoas pobres precisam da EJA. A meu ver, neste caso, a justiça não se faz apenas com a garantia da oferta de vagas aos jovens e adultos, historicamente excluídos da escola. 

De onde vem o meu incomodo e questionamento sobre o investimento na EJA com fortes vínculos com o mercado? 

A educação é um território de formação humana no sentido mais amplo que isto quer dizer. Na medida em que se vincula a EJA a cursos profissionalizantes, mais uma vez produzimos a exclusão, pois atuamos a favor do capital. Impedimos que jovens e adultos tenham em seu processo de formação o contato com as diversas linguagens artísticas (literatura, teatro, artes plásticas, música), com a filosofia, as ciências sociais, com experiências no campo da convivência. 

A meu ver precisamos de uma educação do jovem e do adulto, que vá além da instrumentalização técnica como preparação de mão de obra barata para o mercado. Podemos criar uma educação que considere as dimensões da vida: sobrevivência, convivência e revivência. Que produza fissuras, rupturas na lógica instituída. Mészáros chamou de uma educação "para além do capital". 

Bauman, Santos, Adorno, Freire, dentre outros, seguem dizendo que a educação que faz sentido, é aquela que nos auxilia na mudança de rota, que acorda a inquietação e indignação nos jovens. Reafirmam a necessidade de recuperarmos o inconformismo, pois a dor e o sofrimento humano estão sendo naturalizados. Na lógica do capital, o esquecimento, o individualismo e o conformismo são essenciais. 

Paulo Freire, também já dizia que educação não poderia ser vista apenas como ferramenta para a transmissão de conhecimentos e reprodução das relações de poder, mas sim como um ato político de libertação e emancipação das pessoas. Ele sempre enxergou, na relação pedagógica, uma ação política, como um movimento de criação e recriação humana. 

Considerar o educando como sujeito ou como objeto do processo, faz uma grande diferença na vida das pessoas e na reinvenção do mundo. Investir em políticas públicas de EJA atrelada à "qualificação" profissional é, de certa forma, a repetição da história. O nosso desafio é pensar a EJA como uma "educação para além do capital", como um movimento de criação. 

O Governo Federal poderia ser um pouco mais ousado e expandir a proposta do Programa Mais Educação para a EJA. Assim, os educandos e educandas poderiam optar por se envolver em atividades optativas "agrupadas em macrocampos como acompanhamento pedagógico, meio ambiente, esporte e lazer, direitos humanos, cultura e artes, cultura digital, prevenção e promoção da saúde, educomunicação, educação científica e educação econômica." (Mais Educação, 2013) . 

Repensar a EJA nestes termos implica também em investir em propostas formação do professor/educador de jovens e adultos inspiradas nas práticas de educação popular para além da mera escolarização. 

Dulcinéia de Fátima Ferreira Pereira é licenciada em Pedagogia, mestre e doutora em Educação pela FE-Unicamp. professora-adjunta da UFSCar-Sorocaba - Departamento de Ciências Humanas e Educação (DCHE) - membro do Grupo de Pesquisa Educação Comunidade e Movimentos Sociais (Gecoms) e-mail: dulceferreira@ufscar.br

26 de mai de 2009

Fumar prá quê!!!!!!




FUMAR PRA QUÊ?

Durante muito tempo foi considerado moda, estava ligado a momentos de diversão e de prazer... Tudo ilusão, puro marketing! O Tabaco, seja na figura do cigarro, charutos ou cachimbos, é um dos grandes males para saúde do ser humano. Causa câncer e outras doenças, traz cansaço físico, mexe com a sua cabeça, com seu corpo e com o seu bolso. Em 31 de maio é comemorado o Dia Mundial Sem Tabaco, e o portal Conexão Aluno entrou nesta luta. Leia este Especial e aprenda sobre a ameaça que o tabagismo representa. Antes de dar a primeira ou a próxima tragada, pense uma, duas, três, mil vezes: fumar para quê?


Quer saber mais sobre os malefícios do cigarro?
Antes que a cura virasse doença
Conheça os malefícios do tabaco
Por que você fuma?
Quem tem mais chances de conseguir um emprego: fumante ou não fumante?
Quero parar de fumar. O que faço?
Animais de estimação também sofrem com o fumo
Hip Hop na linha de frente contra o tabaco
CONECTE-SE

Campanha promovida pelo site CONEXÃO ALUNO, da Secretaria Estadual de Educação do Rio de Janeiro

9 de abr de 2008

Dia do Livro 18 de Abril - O que fazer para acabar com o analfabetismo?




Numa sala de aula diversas atividades e atitudes podem consistir em elementos de grande valor para os alunos, principalmente para os jovens que prematuramente abandonaram as salas de aula e hoje buscam as salas de EJA para poderem concluir seus estudos.

Partindo de uma perspectiva Freireana, eu procuraria saber a história de vida desses educandos: o lugar onde vivem, suas necessidades, suas alegrias, seus gostos, seus objetivos e ocupações. Nesse todo compreensível para todos nós, alfabetizados ou não, partiria para atividades que são bem vindas para todos aqueles que, curiosos em saber a visão do outro sobre determinado assunto, trazem para a aula e descrevem as cenas de seu rodo cotidiano.

Na comunidade judaica há uma expressão: conte-me sua história que eu te conto a minha. É uma espécie de voto de confiança para se iniciar um diálogo franco, uma forma de aprendermos uns com as histórias dos outros. Acredito que esse poderia ser um canal para a humanização das relações professor-aluno, sobretudo no EJA, onde essas relações já foram desgastadas em um passado traumático, por parte de alguns alunos.

Certa vez eu conversava com uma senhora que havia deixado a escola aos 12 anos, na sexta série. Ela era uma senhora bem inteligente e gostava de ler, embora o fizesse com certa dificuldade e assim a peguntei o porque dela ter se afastado da escola, ter deixado de estudar. Ela, num suspiro desses que a gente tem vontade de chorar, me contou que saíra da escola porque as professoras a maltratavam. Rasgavam seus desenhos coloridos e a colocava de castigo.

Perguntei-a sobre seu rendimento escolar e ela disse que costumava ser boa aluna, mas a irritabilidade com que as professoras se referiam à ela e aos demais alunos, a deixava e aos pais, apavorados. Dessa forma, um dia, tomados pelas dificuldades da vida, ela deixou os bancos escolares e começou a labuta da sobrevivência. Trabalhava para ajudar à família e logo depois se casou. O marido alfabetizado a ensinara as letras e a convidara a leitura de jornais e revistas.

No cuidado diário da casa, ela aprendera a somar, a ler e a escrever, embora com certa dificuldade, mas a lembrança de tempos difíceis e traumas escolares a faziam hesitar em voltar ao estudo formal. Estava ela ali, num curso supletivo de EF, lendo com vagar uma apostila que ela confessava, com lágrimas nos olhos, a felicidade de estar estudando outra vez, sem o temor de ser retaliada ou ofendida como antes.

Portanto, acredito que a erradicação do analfabetismo somente se dará se houver uma maior consciencientização dos professores no sentido de trazer às salas de aula, não somente novas técnicas didáticas, métodos de ensino, cartilhas coloridas... não, é necessário trazer para dentro de sala de aula o afeto, a preocupação com a vida do aluno, com a história social deste ser em formação. A leitura que o aluno faz é a leitura de vida.Ele se identifica com o que está acontecendo em seu bairro, em sua cidade, na política e nos acontecimentos que envolvem sua gente.

Antes de tudo, o aluno, fruto de nossas observações e estudos, tem seu próprio rítmo. Se faz necessário que o auxiliemos a encontrar soluções para suas dificuldades e, principalmente, auxiliá-los no gosto pela leitura.

Os veículos para os aproximar não só da leitura, mas da troca de informções e da escrita estão aí: a interconectividade da internet, as ferramentas de pesquisa, os sites de relacionamento, os fotologs, blogs, e-mails e salas de bate-papo. tudo isso e mais toda a tecnologia e veículos de informação podem dar aos alunos o poder da voz, da opinião e da troca de experiências, tendo como base a leitura.

Que não sejamos apenas uns poucos a lutar por este poder. Com a leitura obtemos não apenas o prazer de obter conhecimento, mas o de partilhá-lo com outros e lutar pela democracia.

Abraços,

Semíramis

boo1

Postagens mais visitadas

Ajude a ciência brasileira com o tempo ocioso de seu computador - participe do World Community Grid!