4 dicas para criar cursos imersivos

Mostrando postagens com marcador capital. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador capital. Mostrar todas as postagens

11 de abr de 2013

Aula 10 - Pierre Bourdieu - Construtivismo estruturalista ou genético - parte 1

Foto: As pesquisas de Bourdieu exerceram forte influência na Educação durante os anos 70 e 80Breve Biografia 

Pierre Félix Bourdieu (Denguin - França 1 de agosto de 1930  Paris - França, 23 de janeiro de 2002) foi um importante sociólogo francês.
De origem campesina, filósofo de formação, foi docente na École de Sociologie du Collège de France. Desenvolveu, ao longo de sua vida, diversos trabalhos abordando a questão da dominação e é um dos autores Um dos autores mais lidos, em todo o mundo, nos campos da Antropologia e Sociologia, cuja contribuição alcança as mais variadas áreas do conhecimento humano, discutindo em sua obra temas como educaçãocultura,literaturaartemídialingüística e política. Também escreveu muito sobre a Sociologia da Sociologia. 
Para Bourdieu, o mundo social deve ser compreendido à luz de três conceitos fundamentais: campohabitus e capital.
Por Campo entende-se um espaço simbólico, no qual as lutas dos agentes determinam, validam, legitimam representações. É o poder simbólico. Nele se estabelece uma classificação dos signos, do que é adequado, do que pertence ou não a um código de valores. No campo da arte, por exemplo, a luta simbólica determina o que é erudito, ou o que pertence à indústria cultural. 
Determina também quais valores e quais rituais de consagração as constituem, e como elas são delineadas dentro de cada estrutura. No campo, local empírico de socialização, o habitus constituído pelo poder simbólico surge como todo e consegue impor significações datando-as como legítimas. Os símbolos afirmam-se, assim, na noção de prática, como os instrumentos por excelência de integração social, tornando possível a reprodução da ordem estabelecida.
O Habitus por sua vez relaciona-se à capacidade de uma determinada estrutura social ser incorporada pelos agentes por meio de disposições para sentir, pensar e agir. O termo Habitus foi criado por Bourdieu com o objetivo de pôr fim à antinomia indivíduo/sociedade dentro da sociologia estruturalista.
Já o Capital é um conceito que discute a quantidade de acúmulo de forças dos agentes em suas posições no campo. Ele distingue, no decorrer de sua obra, quatro principais tipos de capital: o social, o cultural, o econômico e o simbólico (no qual se inclui o científico, entre outros). 
Fonte - Wikipedia.

Bourdieu e a Sociologia da Educação
Bourdieu não acreditava numa escola salvacionista. Bourdieu investigara sociologicamente acerca do conhecimento e percebeu um jogo de dominação e reprodução de valores no âmbito escolar. Muito embora a maioria dos grandes pensadores tenha desenvolvido suas teorias numa visão crítica da escola, apenas na segunda metade do século XX surgiram questionamentos bem embasados sobre a neutralidade da instituição. 
Suas pesquisas exerceram forte influência nos ambientes pedagógicos nas décadas de 1970 e 1980 Entretanto, as opiniões de Bourdieu, apesar de serem muito pertinentes no momento atual, nesse período não foram adotadas pois as teorias de reprodução começam a ser criticadas por exagerar a visão pessimista sobre a escola. Ao mesmo tempo dessas restrições acadêmicas, Bourdieu se ganha notoriedade pelas críticas à mídia, aos governos de esquerda da Europa e à globalização. Está ao lado de grandes expoentes do pensamento francês como o escritor Émile Zola (1840-1902) e  o filósofo Jean Paul Sartre (1905-1980).

Construtivismo Estruturalista ou Genético
Esta postura adotada por Bourdieu consiste em admitir que existe no mundo social estruturas objetivas que podem dirigir, ou melhor, coagir a ação e a representação dos indivíduos, dos chamados agentes. No entanto, tais estruturas são construídas socialmente assim como os esquemas de ação e pensamento, chamados por Bourdieu de habitus. Bourdieu tenta fugir da dicotomia subjetivismo/objetivismo dentro das ciências humanas. 
Por estruturalista se entende que no próprio mundo social existem estruturas independentes da consciência e da vontade dos indivíduos, capazes de orientar ou limitar suas práticas ou representações. 
Por construtivista conclui-se que haja uma gênese social - um início da sociedade, dos esquemas perceptivos, do pensamento e da ação pertencentes ao habitus e das estruturas sociais (do campo).

Aspectos Objetivista e Subjetivista da Sociologia
O aspecto subjetivista é um modo de conhecimento que não consegue ir além de uma simples descrição do que caracteriza a experiência vivida do mundo social, apreendendo-o  como "mundo natural e evidente". Bourdieu exclui a questão das condições da produção dessa experiência de familiaridade, ou seja, coincidem as estruturas objetivas e as que são incorporadas pelos agentes.
Assim, a ação das estruturas sociais sobre o comportamento individual se dá preponderantemente de dentro para fora e não inversamente. A formação inicial em um ambiente social e familiar estão situadas em uma posição na estrutura social, os indivíduos incorporariam um conjunto de disposições para a ação típica dessa posição (habitus familiar ou de classe) que os conduziriam pelo decorrer dos anos em diversos ambientes de ação.
O caráter coercitivo determinante de certa posição na estrutura social não se daria de forma individual, não seria uma ação pessoal, mas do grupo a que o individuo pertencesse. Dessa forma, a estrutura social se perpetuaria porque os próprios indivíduos a atualizariam, para agir de acordo com o conjunto de leis e ações típicas da posição estrutural na qual foram socializados.


boo1

Postagens mais visitadas

Ajude a ciência brasileira com o tempo ocioso de seu computador - participe do World Community Grid!