Mostrando postagens com marcador colonização. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador colonização. Mostrar todas as postagens

19 de mai de 2008

Brasil sem memória - Critica ao texto da Jornalista Sandra Cavalcanti

À princípio este seria o título de um texto sobre a saída da ministra Marina Silva, porém hoje de manhã recebi um e-mail contendo o artigo
O Brasil Nunca Pertenceu aos Ìndios da jornalista e política Sandra Cavalcanti http://brasilacimadetudo.lpchat.com/index.php?option=com_content&task=view&id=4442&Itemid=223 ,o qual fiquei estarrecida.

Portanto, proponho neste espaço uma análise sócio-cultural do texto dessa autora, pois não consigo entender como a classe média desse País pode proferir verdades fabricadas, se esquecendo da verdade histórica presentes em qualquer livro de Ensino Fundamental ou de Ensino Médio sobre o período da colonização.

Enfatizo que o presente artigo leva em conta apenas os aspectos históricos sociais. Eu, particularmente, respeito e considero muito a cultura e a nação portuguesa e sua inegável contribuíção à nossa cultura e a construção da nação brasileira. No entanto, não posso, enquanto educadora, ocultar o papel do colonizador português enquanto explorador de nossas terras. Um abraço fraterno aos colegas d´Além Mar que participam das leituras desse blog.

É muito fácil atenuar a conquista dos colonizadores portugueses, que por mais que tivessem a vontade de permanecer nestas terras, antes havia por parte deles a obrigação de defender os interesses da coroa, ou seja, beneficiar um Portugal tão escasso em alimentos quanto o restante da Europa. A Terra de Vera Cruz, oferta, de graça, alimentos e riquezas no chão para quem quiser. A autora se esquece das milhares de famílias indígenas e suas culturas que foram dizimadas pela colonização, pelo extrativismo e exploração dos nativos como escravos.

Os colonizadores pilharam estas terras como à outras e tentaram fazer deste território uma nova Àfrica, onde com lucro poderiam obter mão de obra escrava, com o acréscimo dos produtos por aqui obtidos ("Que nesta terra em si plantando tudo dá").

Primeiro esclarecimento: Tribo é um termo utilizado para definir os povos indígenas (ocidentais ou orientais)antes de seu desenvolvimento, de sua descoberta. Nação indígena não é um termo cunhado por ongs internacionais, é o termo sociologicamente correto para designar os povos que possuem cultura, crença, código moral e estrutura social definidos)Não entendo qual o problema de denominar os grupos de ìndios como Nação, se denominamos nação cada grupo que tenha sua própria linguagem, cultura, modo de governar, ritos e códigos morais? por que ainda as pessoas têm o pensamento medieval de acreditar que os índios eram um bando de silvícolas desprovidos de almas? e por acaso os colonizadores não eram violentos? o que dizer de Estácio e Mem de Sá?

Não consigo admitir que a história de nosso país seja tirada de seu contexto real sob fins de atenuar a ação dos colonizadores exploradores. Não digo que estas terras deveriam de ser entregues aos indios e tampouco desfaço das contribuíções que os imigrantes nos deixaram, com suor e sofrimento para o crescimento da nação em troca de refúgio para suas almas. Não. No entanto, relativizar o papel dos colonizadores portugueses, erguendo-os ao patamar de heróis da construção do Brasil é no mínimo uma inversão de papéis - de algozes à heróis; de sacrificados à endemoniados.

Vale lembrar que o tipo de posicionamento colocado pela autora apenas poderá promover ódio às diferentes crenças e grupos sociais. O que faz de mal um índio Pataxó que não teve como retornar para sua tribo, dormir no banco da praça? o que fez esse ser de tão grave para ser Queimado Vivo?

Não desvalorizo também o papel das Ongs estrangeiras pois o Brasil, infelizmente, devido à herança mesquinha de nossos colonizadores, carece desse tipo de apoio para que sobrevivam o índios que sobraram e as populações ribeirinhas mais reclusas ao norte e nordeste desse país, lugares onde o governo nem se lembra de existir. Estas Ongs internacionais fornecem alimentos, roupas, remédios e educação à populações que antes ingeriam mato e terra para se alimentarem.

Eu costumava criticar muito o papel das ongs internacionais e a inserção de suas culturas no seio nacional. Todavia vejo que esta pode ser nossa única solução para que possamos nos reerguer enquanto nação, uma vez que nossos governantes à cada mandato, apenas visam seus próprios lucros, tal como os colonizadores. Agora, se os representantes das Ongs crêem que os representantes indígenas tenham assento na ONU, nada mais justo, afinal se o governo não cuida destas nações, eles têm mais é que se defenderem sozinhos, como os grupos excluídos que sempre foram.

Vale lembrar que estes tipos de artigos apenas estão aparecendo de uns meses para cá. Como o Brasil é uma nação sem memória mesmo, cabe ressaltar que pelo advento do bi-centenário da vinda da Família Real as pessoas se encantam pela riqueza e luxo ostentatório das monarquias e tomam para si o desejo de pertencerem à uma também, se esquecendo de todas as mazelas, intrigas, jogos de poder e autoritarismo que as mesmas impunham em nome de seu próprio bem-estar. É lamentável que se esqueçam que do sangue de milhares de brasileiros conquistamos a democracia, que por mais desigual que possa ser, é a voz do povo, o que não acontece nos sistemas monárquicos.



Abraços fraternos,

Profª Semíramis Alencar

boo1

Postagens mais visitadas

Ajude a ciência brasileira com o tempo ocioso de seu computador - participe do World Community Grid!