Mostrando postagens com marcador filmes; Nietzsche; Yalom; 1879;. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador filmes; Nietzsche; Yalom; 1879;. Mostrar todas as postagens

4 de jan de 2008

Ano Novo, Vida Nova

Sempre ouço essa frase: Ano Novo, Vida Nova. Decidi arriscar e começar a mudar um pouquinho as coisas de lugar.

Comecei arrumando meu Orkut (ah, eu tenho Orkut, podem me adicionar, mas por favor, ponham scrap para saber quem é e da onde posso vir a conhecer) troquei fotos, reorganizei àlbuns. De repente, pensei que poderia ser a hora de mudar algumas coisas no campo profissional, mudei a fachada de meu blog.

Estou com tempo livre, isso me assusta, não consigo ficar parada na frente da televisão, vendo as mesmas notícias da semana inteira (desde o ano passado). Isso me irrita.

Ver filmes com os filhos até é legal, porém quando se fica o dia inteiro vendo filmes, você se torna cáustica demais.

Ontem vi o filme Quando Nietzsche Chorou, filme fantástico que relata os primeiros passos da psicologia - a cura pela fala - que tempos depois o jovem Freud e seu discípulo Jung iriam aprimorar, transformando na psicanálise.

Este fabuloso filme é baseado no livro do Dr Irvin D. Yalom, psicoterapeuta e professor de psiquiatria na Universidade de Stanford. Com precioso argumento, combina personagens reais da Europa do fim do século XIX com ficção. Trata do encontro entre Nietzsche, Freud e Josef Bauer.

Um romance de grande embasamento científico e filosófico, que nos lembra como são frágeis nossas idéias sobre segurança emocional e ilusões. Este filme nos propõe a mudar nossa forma de pensar, nos traz um convite à transformações e a nos reencontramos enquanto seres humanos.

Prossigo este blog pensando no que vai ser de mim nos próximos meses: ainda não assinei nenhum contrato, estou sem nenhuma colocação, o que me assusta bastante. Mas prossigo certa de que, se eu não conseguir logo uma vaga para lecionar, posso pelo menos pensar em organizar estes artigos num livro!


Uma frase de Nietzsche do livro O Viajante e sua Sombra (1879) verso 312, pág 144.


"As ilusões são certamente prazeres custosos, mas a destruição das ilusões é ainda mais custosa- quando é considerada como prazer, o que incontestavelmente é para alguns."

Abraços Sinceros

boo1

Postagens mais visitadas

Ajude a ciência brasileira com o tempo ocioso de seu computador - participe do World Community Grid!