4 dicas para criar cursos imersivos

Mostrando postagens com marcador mais-valia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador mais-valia. Mostrar todas as postagens

10 de mai de 2013

Aula 9.1 - Karl Marx e a Educação

Para Marx, a história da humanidade é permeada pelas lutas de classes, afirmando o caráter social dessas construções e passíveis de serem transformadas pelas ações dos homens não podendo ser eternizadas. Para isso, os homens deveriam de estar conscientes do processo de alienação e essa necessidade de luta o que deveria em parte ser feito pela educação, de forma a promover a emancipação humana.

Karl Marx enxergou além das aparências o sistema capitalista se comporta por dentro e a sua necessidade de sua superação, o que o torna sempre atual.
Seu pensamento influenciou não só a economia, mas a filosofia, a sociologia, a história, etc. além de ter influenciado a formação do ideário esquerdista de diversos países.

Marx ao explicar o mundo materialista da produção do trabalho afeta ao mundo da consciência, as representações, o conhecimento e as crenças.

Para ele a consciência está diretamente ligada às condições materiais de vida, a qual aparece de forma invertida numa falsa consciência, conforme Marx denominou, os homens são incapazes de captar a essência das relações.

Em cada sociedade há a divisão do trabalho, estabelecendo onde cada indivíduo irá atuar, como vai viver, trabalhar e agir.

Na sociedade capitalista a divisão do trabalho põe de um lado, os que detém os meios de produção e de outro os que oferecem sua mão de obra, seu trabalho para os proprietários dos meios de produção em troca de um salário.

São os burgueses e os proletários

Burgueses - Cidadãos no uso de privilégios especiais.
Pessoas que pertencem à classe média ou dirigente (por oposição à classe dos operários e camponeses)

Proletários - Proletário é uma classe social dentro do Capitalismo que trabalha com os instrumentos de outra pessoa, isso é, destituídos dos meios de produção, eles possuem a penas a venda de sua força de trabalho para sobreviverem. Substantivo derivado de prole (muitos filhos).

Muito embora essa relação pareça justa, Marx demonstrou que nem sempre essa relação tinha um saldo positivo para ambas as partes, uma vez que o processo de divisão do trabalho e apropriação dos meios de produção nunca foi justo. O fato de pensarmos estas relações como normais ou próprias do gênero humano é meramente uma ideia inculcada pela classe dominante.

A burguesia além de possuir os meios de produção comprava a força de trabalho por um valor sempre muito menor do que o proletário produz, ou seja, a extração da mais-valia.

Mais-Valia - Na doutrina marxista, a remuneração do capitalista, consequência de uma espoliação dos trabalhadores assalariados, que, em troca de sua força de trabalho, recebem apenas o valor das mercadorias e serviços indispensáveis à sua subsistência. (A diferença entre o valor dos bens produzidos e os salários recebidos constitui a "mais-valia", de que se apropriam os capitalistas.)

A burguesia com esse sistema faz com que a sociedade acredite que o capitalismo é o única possibilidade possível, pois sempre esteve presente na humanidade e ainda é a melhor maneira de conduzi-la.

Para chegar à essa conclusão, Marx procurou entender o funcionamento da educação no modo de produção capitalista, observando como as escolas inglesas funcionavam e constatou a precariedade do ensino, a insalubridade do ambiente de estudo, a incapacidade docente em lidar com os alunos, enfim, às péssimas condições à que os alunos enfrentavam. 

boo1

Postagens mais visitadas

Ajude a ciência brasileira com o tempo ocioso de seu computador - participe do World Community Grid!