Mostrando postagens com marcador relações humanas. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador relações humanas. Mostrar todas as postagens

10 de mai de 2009

Um novo tempo nas relações humanas

Na ânsia de se fazer entender e alcançar os resultados o mais rápido possível, deixamos para trás um universo de possibilidades humanas.

Recentemente conversava com um amigo, professor de educação física e instrutor de academia sobre o distanciamento das pessoas das questões afetivas, essencialmente sobre a incapacidade das pessoas em se entregar à novas descobertas e à novos contatos.

"Há pessoas que chegam numa academia e sequer são capazes de um sorriso, um bom dia! - dizia ele - Não conversam sobre nada além da própria prática de exercícios e os resultados. Há anos têm alunos que chegam e eu se quer sei quem eles são, senão pelo primeiro nome, fico chateado com isso pois a vida deveria de ser mais do que isso.".

Será que estamos nos embrutecendo? onde está aquela camaradagem, o coleguismo e as relações fraternas que costumávamos ter uns com os outros. Antigamente (quando o máximo de tecnologia que possuíamos era um Tk 83 e os jogos de Atari) as pessoas eram mais solidárias. Costumavam fazer amizade com o vizinho da porta ao lado, com o padeiro, com o jornaleiro, com todos que dirá com os colegas de escola ou academia ou seus professores. Hoje tudo está tão pasteurizado, começo a acreditar que trocaram o ser pelo ter - antes você poderia ser uma pessoa legal - hoje você precisa de ter uma posição social legal.

Com o avanço das tecnologias, onde tudo poderia contribuir para a maior interação e mesmo maior aquisição de conhecimento, se tornou apenas mais um meio de se abstrair da realidade. Não assumimos que, por mais conhecimento que adquiramos, sem o contato com as sensações e anseios do outro dificilmente nossa capacidade de aprender e construir conhecimento estará plenamente completa. Por mais integrados que estamos às ferramentas e aos recursos digitais, sem o contato humano, sem a voz de nosso interlocutor, seu olhar e seu jeito de ser, não passamos de cópias de máquinas, destituídos de sentimentos e preocupações sociais.

O maior desafio do ser humano é se manter humano perante as relações, pois isso é o que nos caracterizam humanos - seres em constante comunicação uns com outros, aprendendo sempre, nesta teia de relações que é a vida.

Abraços Fraternos,
Semíramis Alencar

boo1

Postagens mais visitadas

Ajude a ciência brasileira com o tempo ocioso de seu computador - participe do World Community Grid!