4 dicas para criar cursos imersivos

Mostrando postagens com marcador EF. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador EF. Mostrar todas as postagens

19 de fev de 2014

Dicas para planejar a formação de professores sobre Educação Sexua

Dicas para planejar a formação de professores sobre Educação Sexual

 | Gestão escolar
Professores preparam-se para ensinar sobre sexualidade na EM Rocha Pombo, em Juiz de Fora, a 261 quilômetros de Belo Horizonte.
Professores participam de formação sobre ensino de sexualidade na EM Rocha Pombo, em Juiz de Fora, a 261 quilômetros de Belo Horizonte.
A sexualidade ainda é um tema tabu e gera bastante desconfiança e medo no professor, mas não dá mais para fechar os olhos e fingir que este assunto não deve ser discutido na escola. Ele está presente no dia a dia dos alunos, motivando suas atitudes e ocupando intensamente seus pensamentos. Curiosidades, dúvidas e conflitos podem funcionar até como uma erva daninha e dificultar a aprendizagem.
Dá para uma aluna se concentrar na aula se suspeita que está grávida? E qual garoto consegue estudar se pensa que o tamanho de seu pênis é menor do que deveria?
Quando há professores capacitados para abordar a Educação Sexual, ganham os alunos e também a escola! A formação dos professores nessa área é essencial e as escolas precisam estimulá-la. Isso vale para quem ensina adolescentes no Ensino Médio e Fundamental 2 ou crianças no Fundamental 1 e na Educação Infantil.
Organizar uma formação em orientação sexual exige conhecimentos sobre desenvolvimento da sexualidade na infância e na adolescência; prevenção e vulnerabilidade, além de experiência para escolher a metodologia mais adequada para abordar os assuntos com diferentes grupos.
O jeito mais fácil e rápido é contratar profissionais ou instituições especializadas em Educação Sexual. Contudo, nem toda escola pode contar com este tipo de profissional. Nesse caso, o coordenador pode assumir a tarefa e aproveitar os encontros pedagógicos para estudar conceitos e debater questões sobre sexualidade com os professores. Se o coordenador nunca participou de capacitação nesta área, pode aprender junto com os professores, assumindo a liderança na busca de modelos de trabalho, metodologias, materiais e bibliografias. Você pode encontrar sugestões de livros e artigos no site da Educadora e Psicóloga Mary Neide Figueiró.
Escrevi um pequeno roteiro para ajudar os coordenadores na formação de professores sobre Educação Sexual:
1a etapaApresente um panorama dos conteúdos básicos de Educação Sexual para os professores. Minha experiência mostra que, antes de tudo, é necessário definir alguns conceitos: o que é sexo e sexualidade; Educação Sexual informal e Educação Sexual na escola, sexualidade na infância, sexualidade na adolescência, vulnerabilidade e prevenção as DST/Aids e gravidez na adolescência. Esta visão geral é muito importante para que todos participem da construção do modelo de trabalho a ser desenvolvido na escola e compreendam o seu papel como educador sexual.
Em seguida, defina junto com os professores quais serão os objetivos da formação em Educação Sexual na sua escola para dar continuidade a formação. Planeje de que forma vocês poderão aprofundar os temas escolhidos, levando em conta o trabalho com diferentes grupos etários e os resultados que desejam alcançar. Esse planejamento inclui definição de temas e pesquisa de materiais de referência que os professores irão estudar.
Se o a escola quer ensinar os adolescentes a prevenir a gravidez, a conversa com os professores terá que caminhar por temas como puberdade, reprodução humana, primeira vez, métodos contraceptivos, por exemplo. Agora, se a escola quer atender as curiosidades e preparar as crianças para assumir responsabilidade sobre seu corpo, vale a pena abordar brincadeiras sexuais, relação de gênero e higiene. E se o objetivo for estimular o respeito à diversidade, a formação deve tratar do desenvolvimento da identidade sexual e homofobia.
2a etapaUse os posts publicados neste blog para abordar os temas. Peça aos professores que leiam um post escolhido e tragam para o encontro um comentário escrito sobre o que leram. Eles também devem trazer uma pergunta sobre o tema.
Comece questionando-os sobre como foi a leitura e faça isso olhando diretamente para cada professor. Em seguida, peça para contarem o que acharam do tema e lerem seus comentários. Faça isso com todos os professores. Esta atividade irá aquecê-los e deixá-los mais à vontade para o próximo passo.
Divida os professores em dois grupos, com número iguais de participantes. Posicione-os de pé em duas fileiras, uma de frente para a outra. Em seguida, todos devem trocar sua pergunta com a pessoa à frente. Cada grupo deve ter em média até 5 pessoas. Se o número de pessoas que participa da formação for maior, monte novos grupos.
Os professores devem ler e responder às perguntas dos colegas. Em seguida, cada grupo fará uma apresentação das perguntas e respostas elaboradas. Depois que todas as perguntas forem respondidas, confira se os participantes ficaram satisfeitos com as respostas.
3a etapaCaso haja necessidade de complementar as informações ou aprofundar algum tema, pesquise materiais de apoio, como artigos e vídeos.
Outro suporte interessante pode ser o da Secretaria de Saúde Municipal. Este órgão público pode complementar conhecimentos específicos, como prevenção às DSTs e gravidezpromovendo palestras com profissionais da área.
No site do Instituto Kaplan há aulas para curso a distância sobre todos os temas básicos que listei acima.O instituto trabalha há mais de 20 anos com capacitação de professores e produção de metodologia e materiais pedagógicos para tratar de sexualidade com jovens e crianças. Você também pode usar os posts do nosso blog para encontrar filmes e livros.
Um suporte indispensável é contar com profissionais ou equipes especializados em Educação Sexual para fazer um acompanhamento quando os professores começarem a colocar em prática este aprendizado com os alunos. Se na sua cidade não for possível encontrar esse profissional, busque apoio de organizações não-governamentais, universidades e outros grupos que trabalhem nessa área e possam dar esse apoio.
E na sua escola, como você tem feito a formação de seus professores? Compartilhe conosco a sua experiência!
TAGS: 

Brincar de namorar - Como agir com as brincadeiras de namoro entre as crianças?

Como agir com as brincadeiras de namoro entre as crianças?

 | Educação InfantilSexualidade
Crianças de mãos dadas. Blog de Educação Sexual. Richard Stephenson/Crative Commons http://creativecommons.org/licenses/by/2.0/
Muitos pais e professores ficam preocupados quando os pequenos brincam com o próprio corpo ou descobrem o prazer de tocar os genitais – comportamentos comuns na infância. No entanto, em uma postura contraditória, eles estimulam a criança a namorar quando ouvem o filho ou aluno se referindo ao amigo como namorado.
Namoro não é natural na infância. As criança pequenas ainda não têm condições biológicas, emocionais, e muito menos maturidade para realizar o relacionamento afetivo-sexual indispensável ao namoro.
Crianças não namoram, elas se relacionam. Para os pequenos, o outro ainda não tem a importância que o adulto dá. Uma criança não gosta de outra porque sente vontade de beijá-la, abraçá-la ou ser a única companheira de suas brincadeiras.  Os pequenos gostam dos outros porque eles demonstram prazer em brincar junto, devolvem seus brinquedos, inventam uma brincadeira divertida, emprestam lápis de cores…
Por que, então, algumas crianças dizem ter namorados?
Normalmente, porque algum adulto falou isso antes. Em geral, é a partir dos três anos que as crianças passam a brincar de namoro e de papai e mamãe. Nesse momento, eles já incorporaram o conceito de gênero e começam a imitar os adultos. As brincadeiras revelam como os pequenos estão percebendo os papéis de gênero assumidos pelo mais velhos. Não indicam o desejo de ser pai, mãe ou mesmo de namorar.
Além disso, a criança constrói seu imaginário com base nas mensagens transmitidas pela família e pela sociedade. Para ela, ser namorado de alguém é gostar de estar junto. E, em geral, quem se encaixa neste perfil, é o(a) amiguinho(a) do momento.
É por isso que uma menina pode imitar os mais velhos e até dizer que o seu namorado é o Felipe. Mas, se isso não for reforçado pelo adulto, amanhã ela poderá dizer que é o Flávio, depois a Marina, a Carla…
Li na internet um depoimento de uma mãe que exemplifica bem o tema deste post.  A filha de cinco anos pegou um anel de brinquedo e avisou: “Vou levar para o Felipe, posso?”.  A mãe respondeu cheia de expectativas: “É um anel de compromisso?” “O que é um anel de compromisso?”, questionou a menina. “Nada, nada. Pode levar, filha.”  A criança então complementou: “Não sei se vou dar pra ele ou para a Letícia.”
Uma vez, um pai me procurou muito preocupado com a possibilidade de seu filho ser gay. Ele havia perguntado ao seu filho de 4 anos quem era a namorada do menino. A resposta veio de pronto: “Ora, o Rafael!”.  Apesar da ansiedade do pai, é claro que a resposta da criança não sinaliza qual será a sua orientação sexual.
As confusões acontecem porque as pessoas entendem a palavra namorado sob o ponto de vista do adulto. E têm dificuldade em diferenciar sua visão de mundo da visão dos pequenos. Deveriam lidar com os comentários de acordo com o contexto e com a capacidade das crianças. Mesmo porque, logo, logo, quando chegarem aos 7 anos, os meninos dirão que as meninas são chatas e mimadas. Já as garotas vão dizer que eles só conversam bobagens e não entendem de meninas. É por volta dos 13 anos que as crianças passam a ter interesse afetivo e sexual por alguém e de fato, namorar.
O que fazer quando o aluno diz estar namorando
Durante a infância, é importante que a criança tenha tranquilidade para fazer amigos e brincar de acordo com o seu desenvolvimento. Portanto, o professor ajuda muito ao evitarcomentários sobre namoro. Também não é bom sugerir que o aluno sente ao lado de seu suposto namoradinho ou lhe dê um beijo.  Atitudes como essas inibem os pequenos. O que era para ser uma amizade leve, descontraída, divertida e companheira… vira um constrangimento e tolhe o desenvolvimento e a aproximação entre eles.
A atitude da escola  com os pais
Uma professora de Educação Infantil me perguntou como proceder com o aluno cuja mãe compra presentes para sua filha dar ao “namoradinho” na escola. “A mãe já trouxe até jóias, como um anel simbolizando compromisso!”, explicou.
Meu conselho? Não estimule esse comportamento na escola. Há crianças que pegam birra e nem chegam mais perto do amigo que insistem em dizer ser seu namorado.
Em casos como esses, a escola pode conversar com os pais sobre o assunto.  Essa tarefa pode ficar com o coordenador ou o professor da criança. Caso o profissional se sinta inseguro, pode levar para o bate-papo a pessoa na escola que entenda de sexualidade infantil, como a psicóloga. Quem lidera essa conversa preciso conquistar a confiança e o respeito desses pais. Isso porque irá tocar em questões delicadas, como as expectativas e valores dos responsáveis pela criança.
A escola também pode promover palestras ou cursos sobre sexualidade infantil e desenvolvimento afetivo-sexual. Essas atividades para a comunidade costumam surtir um efeito positivo na compreensão dos adultos. 
Há outras condutas em sua escola para lidar com essa pressão sobre as crianças? Compartilhe nos comentários!
TAGS: 

boo1

Postagens mais visitadas

Ajude a ciência brasileira com o tempo ocioso de seu computador - participe do World Community Grid!