4 dicas para criar cursos imersivos

Mostrando postagens com marcador pobreza. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador pobreza. Mostrar todas as postagens

17 de mai de 2012

Para especialista, educação infantil é primeiro passo no combate à pobreza

Para especialista, educação infantil é primeiro passo no combate à pobreza

Governo Federal anunciou a construção de 1.512 creches no País
15 de maio de 2012



Para especialista, educação infantil é primeiro passo no combate à pobreza
Para especialista, educação infantil é primeiro passo no combate à pobreza
O 'Programa Brasil Carinhoso' passa a valer nesta terça-feira (15) em todo o País. A ação, lançada pela presidente Dilma Rousseff nesta segunda-feira (14), tem como objetivo tirar da miséria crianças de até seis anos, cuja renda familiar per capita seja inferior a R$ 70.


Para Maristella Angotti, pedagoga e pesquisadora da Universidade Estadual Paulista (Unesp) em Araraquara (SP), esse investimento só terá um bom resultado se for desenvolvido com foco na qualidade e no atendimento.


A ideia, segundo o governo, é reforçar o subsídio oferecido, por meio do Bolsa Família, e ampliar a cobertura do sistema de saúde, com a distribuição de vitamina A, ferro e remédios contra asma para crianças. O programa também prevê a ampliação de vagas em creches e pré-escolas públicas, além de acelerar o ritmo de construção de novas unidades. O objetivo do governo é levantar seis mil creches até 2014.


Segundo a pesquisadora, a creche também deve ser considerada como etapa importante do sistema educacional brasileiro. "Nós não temos uma etapa mais ou menos importante na vida do ser humano. Toda ela é carente e necessita de um atendimento educacional especializado específico", diz.


Angotti ressalta que a creche hoje não significa apenas uma condição de atendimento social, mas um meio em que é fundamental para o desenvolvimento da base intelectual, social, ética e moral. Angotti cita como exemplo a criança que trabalha com o imaginário em uma casa de brinquedos.


"Na verdade, ela não está só brincando. Quando ela faz as representações dos papéis da família, ela está muitas vezes representando a casa dela e também melhorando a qualidade de vida que ela gostaria. Então, ela própria já resolve algumas situações como gostaria que fosse na realidade. Nós não podemos mais desconsiderar o brincar, as diferentes linguagens como condição fundamental para o desenvolvimento dessa criança", explica.
Fonte: Globo.com

boo1

Postagens mais visitadas

Ajude a ciência brasileira com o tempo ocioso de seu computador - participe do World Community Grid!